Com o número de infectados pelo coronavírus aumentando a cada dia e o período de isolamento se alongando, uma das grandes preocupações é com a educação das crianças e jovens em idade escolar. Para solucionar essa questão, medidas como a disponibilização de aulas virtuais na quarentena podem minimizar o efeito da pandemia sobre o ano letivo.

Como funcionam as aulas virtuais na quarentena

Segundo o Conselho Nacional de Educação, as aulas presenciais serão mantidas suspensas para minimizar a propagação do coronavírus. Buscando alternativas para manter as atividades mesmo na quarentena, diversas instituições de ensino, tanto públicas como privadas, estão disponibilizando exercícios virtuais para os seus alunos.

Apesar de ser um grande desafio para os educadores, já que estar em casa possibilita inúmeras distrações aos estudantes, escolas de todo o Brasil estão se preparando para oferecer aulas virtuais.

Dessa forma, no Rio de janeiro, as atividades e aulas serão disponibilizadas através de plataformas e aplicativos, tanto para as escolas públicas como para as privadas. As tarefas incluem aulas no formato de vídeo, listas de exercícios e leitura de livros. O mesmo modelo deve ser adotado por outros estados que estão implementando essa metodologia.

Quando será o início das aulas online?

Essas atividades online já estão sendo disponibilizadas por muitas instituições para manter seus alunos ativos no período de paralisação. Contudo, o Ministério da Educação (MEC) já anunciou que deve publicar uma portaria que autoriza o ensino à distância na educação básica por 30 dias. A mesma pode ser autorizada para o ensino médio. Sendo assim, até os processos de avaliação poderão ser feitos de forma remota.

Em São Paulo, aulas online mescladas com conteúdos à distância devem ser iniciadas no dia 21 de abril para toda a rede pública de ensino, como relatou o Secretário de Educação do Estado. Já no Distrito Federal, as aulas à distância estão sendo recomendadas enquanto durar a paralisação e o projeto poderá ser iniciado a partir do dia 5 de abril.

E os alunos que não possuem computador?

Principalmente na rede pública de ensino, o grande desafio para realizar um estudo à distância é a ausência de computadores e a dificuldade que alguns alunos enfrentam para acessar a internet. Nesse sentido, a utilização de aplicativos através de parcerias com as empresas de telecomunicações podem ser alternativas viáveis para suprir a falta de aulas neste período de paralisação.

Conclusão

Atualmente, o MEC ainda está estudando a flexibilização das aulas nesse período e avaliando a carga horária máxima que as escolas públicas poderão utilizar no ensino à distância. Com isso, as atividades remotas podem ser ótimas alternativas para fazer com que as crianças e jovens mantenham a rotina de aprendizado, além de minimizar o possível atraso que um isolamento prolongado poderá ocasionar ao ano letivo.

Dessa forma, cada estado e unidade escolar estão desenvolvendo suas medidas para pôr em prática as aulas virtuais na quarentena. Sendo assim, o modo de funcionamento e início das transmissões poderão variar conforme o calendário de cada escola, local em que está localizada e também de acordo com as providências impostas pelo MEC para esse momento.

Compartilhe