Em meio ao surto do coronavírus que causou até então 564 mortes na China e 28.060 casos confirmados no país, diversos países vêm se preparando para uma possível confirmação de ocorrências em seus territórios. Apesar de só possuir casos suspeitos, cientistas e laboratórios brasileiros estão se empenhando em desenvolver um novo método para detecção do coronavírus com resultados mais rápidos, em até 10 dias.

Novo método para detecção do coronavírus é mais eficiente que os atuais

O laboratório DB molecular, uma das unidades da Diagnósticos do Brasil, utilizou informações provenientes do sequenciamento genético do vírus, dispensando assim, a utilização de uma amostra viral, para o desenvolvimento do teste. É possível que o exame já esteja disponível para todo o país dentro de uma semana, e poderá ser encontrado em todos os 6000 laboratórios credenciados ao Diagnósticos do Brasil.

Uma das metodologias utilizadas para diagnóstico atualmente é a exclusão. Dessa forma, as amostras colhidas de pacientes são comparadas com 21 outros vírus que apresentam sintomas semelhantes ao coronavírus, além de 4 variantes da família do próprio vírus. A suspeita é descartada quando há resultado positivo para algum desses vírus.

O grande problema dessa técnica, é que o paciente pode estar infectado por um vírus conhecido e também pelo coronavírus, o que aumenta a probabilidade de resultados falso-negativos. Com o novo método para detecção do coronavírus é possível diagnosticar a infecção viral de forma eficiente e direta.

Coronavírus no Brasil

O vírus que tem assustado todo o mundo possui características de alta virulência e capacidade de sofrer mutações, o que pode fazer com que fique ainda mais perigoso ou mais atenuado. No Brasil, 9 casos ainda estão sendo investigados e ao todo 24 pacientes suspeitos foram liberados.

Dos suspeitos, um caso se encontra em Minas Gerais, um no Rio de Janeiro, um em Santa Catarina, três no Rio Grande do Sul e mais três em São Paulo. Para se enquadrar em um quadro suspeito, o indivíduo deve apresentar febre, um sintoma respiratório, além de ter viajado à China nos últimos 14 dias, ou ter tido contato com alguma pessoa com suspeita ou caso confirmado de coronavírus.

O novo método para detecção do coronavírus poderá permitir um diagnóstico mais rápido e assertivo, reduzindo os riscos relacionados a falso-negativos e comorbidades do coronavírus e outros vírus circulantes no país. Dessa forma, o Brasil estará mais preparado para a detecção do novo vírus e apto para dar os próximos passos referentes ao controle da infecção.

Compartilhe