Na última terça-feira (30/10), foram anunciados os vencedores da última edição do prêmio Jovem Cientista.

O tema deste ano foi “Inovações para conservação da Natureza e Transformação Social”, e premiou várias iniciativas em 3 categorias, além de reconhecer instituições e profissionais por mérito na área.

Mais de 1.500 projetos foram cuidadosamente avaliados até chegar aos vencedores. Veja tudo sobre a história do prêmio e saiba o que aconteceu na edição 2018!

O que é o prêmio Jovem Cientista

O prêmio é uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), conhecido como a primeira instituição de fomento à tecnologia, inovação e ciência do Brasil.

O projeto, que foi iniciado em 1981 e chegou este ano a sua 29a edição (alguns anos não tiveram uma edição do prêmio), também conta com apoio privado.

Entre os parceiros está a fundação Roberto Marinho, bem como a fundação Grupo Boticário e o Banco do Brasil — estes dois últimos atuam como patrocinadores.

O objetivo do prêmio é revelar jovens pesquisadores que têm talento e iniciativa para usar a ciência e a inovação na solução de problemas comuns da sociedade.

Cada edição do prêmio conta com um tema central sob o qual devem girar os projetos dos participantes. Os critérios de análise são:

  1. Mérito científico e relevância para o desenvolvimento científico e tecnológico do país;
  2. Aplicação prática do projeto e seus resultados.
  3. Conteúdo original e sua contribuição para o avanço da área em questão.
  4. Clareza de comunicação e qualidade de apresentação.

Categorias e premiação

Os participantes são divididos em três categorias individuais. Veja quais são elas, e suas respectivas premiações:

  • mestre e doutor: o 1° lugar recebe R$35 mil, o 2° fica com R$25 mil e o 3° com R$18 mil;
  • estudante de ensino superior: o 1° lugar ganha R$18 mil, o 2° recebe R$15 mil e o 3° fica com R$12 mil;
  • estudante ensino médio: os três vencedores recebem um laptop.

Além disso, todos os vencedores recebem bolsas de estudo, de acordo com suas respectivas categorias.

Por fim, instituições e professores também podem receber reconhecimentos por méritos institucionais e científicos, respectivamente. Isso inclui premiação de R$40 mil.

Saiba tudo sobre o evento deste ano

No evento deste ano, os participantes tinham de encontrar maneiras de conservar a natureza e gerar transformação social, e os vencedores conseguiram exatamente isso.

Veja o resultado e quem ganhou em cada categoria do prêmio Jovem Cientista:

Mestre e doutor  —  João Vitor Campos e Silva

A pesquisa do João descobriu como conservar a Amazônia por recuperar populações de Pirarucu, o maior peixe de escamas do mundo.

Por conta de seu alto valor comercial e cultural, preservar esses animais tem alto impacto econômico e social na região.

Estudante de ensino superior  —  Célio Henrique Rocha Moura

A pesquisa do Célio conseguiu identificar a importância das matas de Dois Irmãos e Engenho Uchôa para as vidas de diferentes grupos sociais no Recife.

Com base nas descobertas, criou mecanismos para conservar e manter áreas de preservação.

Estudante de ensino médio — Juliana Davoglio Estradioto

A pesquisa da Juliana resultou na criação de um plástico biodegradável a partir da casca do maracujá, que se decompõe em apenas 20 dias.

Esse plástico é usado para substituir embalagens de mudas de plantas, que geram muitos resíduos na agricultura. O material sequer precisa ser retirado na hora do plantio.

Gostou do prêmio Jovem Cientista e das oportunidades que ele oferece? Ótimo! Por que a edição 2019 deve contar com o apoio da missão diplomática britânica no Brasil e apresentar ainda mais oportunidades de projetos inovadores.

Para participar é só ficar ligado no site do prêmio e começar seu projeto assim que eles divulgarem os detalhes!

Compartilhe