A importância do microscópio para a evolução da ciência é algo inquestionável. Além disso, até os dias de hoje, os microscópios exercem um papel essencial no âmbito científico, possibilitando o estudo de diversos micro-organismos e partículas ao nível microscópico.

Contudo, muitos ainda não sabem da história dessa grande invenção. Para entender melhor sobre o assunto, acompanhe o texto.

A história do microscópio

A necessidade de aumentar certos objetos é uma preocupação desde os primórdios da humanidade. Esse argumento é corroborado através de achados com data de 721 a.C. Nessa época, há relatos de um cristal que possuía propriedades de ampliação. Além disso, em períodos próximos a esse, as lupas já eram utilizadas com esse objetivo.

A lente é um dos componentes mais importantes de um microscópio, por isso a história da microscopia se inicia muito antes do primeiro modelo microscópico. De acordo com alguns relatos, as lentes eram usadas pelos romanos com a possível finalidade de corrigir a miopia. Entretanto, sua utilização mais ampla ocorreu em 1280 com a invenção dos óculos.

Quem inventou o microscópio ?

O primeiro microscópio foi descoberto através de um experimento feito por dois fabricantes de óculos holandeses. Zacharias Jansen, juntamente ao seu pai, Hans, inseriram diversas lentes em um tubo e constataram que ao observar um objeto ao fim do aparato era possível vê-lo de forma muito mais ampliada do que o observado através de uma lupa.

O impacto dessa invenção para a ciência veio algum tempo depois através de Robert Hooke que, em 1665, detalhou as suas descobertas microscópicas sobre pulgas e cortiça. Em 1675, Leeuwenhoek após produzir as suas próprias lentes, obteve um microscópio com maior poder de ampliação.

Com isso, foi possível pela primeira vez descrever bactérias e células sanguíneas, já que os microscópios de Leeuwenhoek possibilitavam uma ampliação de até 280x. Com essas descobertas, a microscopia só se desenvolveu cada dia mais. Acompanhe para entender melhor o avanço dessa tecnologia.

Evolução do microscópio

Com o passar do tempo, os microscópios foram aperfeiçoados com melhorias nas lentes e, consequentemente em suas capacidades de ampliação. Em 1830, Joseph Jackson Lister descobriu que quando as lentes eram arranjadas com uma distância adequada entre elas era possível proporcionar uma ampliação eficiente sem desfocar a imagem obtida.

Já em 1880, a resolução dos microscópios chegou 0,2 micrômetros e em 1903, após alguns anos da descoberta de uma teoria que correlacionava a resolução com o comprimento de onda, Richard Zsigmondy desenvolveu um microscópio capaz de observar objetos abaixo do comprimento de onda da luz.

Em 1932, o microscópio de contraste de fase foi inventado por Frits Zernike, que permitiu o estudo de materiais transparentes. Contudo, as inovações não pararam por aí. Era necessário novas descobertas para ampliações muito mais elevadas. Por esse motivo, o microscópio eletrônico veio para revolucionar o que se conhecia como microscopia.

O primeiro microscópio eletrônico de transmissão foi desenvolvido em 1933 por Ernst Ruska, com um poder de resolução muito superior ao microscópio de luz, esse equipamento se diferencia pela utilização de feixes de elétrons e lentes eletromagnéticas, o que possibilita a ampliação em até um milhão de vezes do objeto analisado.

Além do microscópio eletrônico de transmissão, outros modelos era necessário para demonstrar imagens tridimensionais da superfície dos objetos analisados. Nesse contexto, o conceito do microscópio de varredura foi demonstrado em 1935 por M. Knoll.

Entretanto, somente em 1938 o primeiro microscópio de varredura foi construído por Von Ardenne que possibilitou a visualização da superfície dos objetos analisados. Muitas mudanças foram necessárias para obtermos os modelos atuais de microscópios, veja abaixo as características dos microscópios atuais e suas aplicações.

A microscopia nos dias atuais

Depois de tantas descobertas, os microscópios sofreram melhorias que os transformaram no que conhecemos atualmente. A maioria dos microscópios utilizados são compostos por duas ou mais lentes e possuem ampliação de 100 até a 1000 vezes.

Muitas técnicas foram desenvolvidas para melhorar a utilização desses equipamentos. Diversos corantes, fixadores e outros equipamentos acessórios estão disponíveis para possibilitar um melhor uso dos microscópios.

Nesse sentido, o desenvolvimento de aparelhos mais acessíveis e populares colocaram a microscopia ao alcance de todos. Atualmente é muito fácil encontrar diversos microscópios em ambientes distintos como em laboratórios de análises clínicas, pesquisas, indústrias e outros.

Além disso, os microscópios digitais e portáteis vieram para simplificar a rotina daqueles que precisam transmitir a imagem obtida em tempo real ou necessitam analisar amostras fora do ambiente laboratorial. Esses modelos são inovações atuais que trouxeram muitos benefícios à ciência.

E o que a microscopia tem reservado para o futuro? Devemos aguardar para constatar, mas muitos avanços são esperados por essa tecnologia que só tem a agregar mais informações e descobertas.

Compartilhe